Palavra de Pastor: Jesus e a Escritura de Israel

III Domingo do Tempo Comum: Jesus e a Escritura de Israel


Dom Paulo Cezar Costa

A palavra de Deus, deste terceiro Domingo do Tempo Comum, coloca diante de nós, a centralidade da Palavra de Deus. Na primeira leitura, a Lei é lida diante do povo e este renova a sua aliança com Deus (Ne 8, 2-4. 5-6. 8-10). No Evangelho, tem- se a introdução do Evangelho de São Lucas (Lc 1, 1-4), onde o evangelista mostra que o Evangelho nasce da pesquisa, da averiguação dos fatos. A idéia de iniciar a sua obra com um prólogo é sugestiva. O autor quer colocar o seu escrito no mesmo nível dos outros escritos literários da época e mostrar que o seu conteúdo não é reservado a um pequeno grupo de iniciados, mas possui um valor universal: a história de Jesus pertence à história do mundo e tem algo a dizer aos homens do mundo greco–romano (G. Rossé, Il vangelo di Luca, 33).  O Evangelho nasce de fatos históricos, da verdade sobre Jesus Cristo.

Na segunda parte, tem-se Jesus na sinagoga de Nazaré (Lc 4, 14-21). Nazaré é sua terra natal, lugar onde todos o conhecem, o viram crescer, tem relação com a sua família. A sinagoga é o lugar da leitura da Palavra de Deus. Os Judeus se reuniam na sinagoga todos os sábados para ouvirem a leitura da Palavra. A sinagoga era casa da Palavra. Em tantos outros momentos encontramos Jesus na sinagoga. O texto salienta: "segundo o seu costume". Em Nazaré, Jesus desde a sua Juventude tinha freqüentado regularmente o serviço litúrgico sinagogal todos os sábados e dias festivos. Jesus tinha uma grande familiaridade com as Escrituras do seu Povo. Jesus conhece as Escrituras, as cita, as manda colocar em prática. "Segundo o seu costume" coloca em luz a fidelidade de Jesus a religião do seu povo, nos mostra que a fé cristã não nasceu de um aventureiro, mas de um representante do autêntico Israel, no qual o fruto chegou à maturidade.

Esta familiaridade de Jesus com as Escrituras de Israel, deve inspirar o nosso caminho de discípulos missionários hoje. É fundamental este contato diário com a Palavra de Deus. A Constituição sobre a Revelação do Vat. II, Dei Verbum, n. 25 nos alerta: "… é necessário que nos consagremos ao ministério da Palavra, nos apegarmos às Escrituras por meio de assídua leitura sacra e diligente estudo, para que não venha a ser "vão pregador da Palavra de Deus externamente quem não a escuta interiormente". A Escritura é Deus presente que me interpela. Escutando a sua Palavra "é como se víssemos a sua própria boca" (São Gregório Magno). "A Escritura é a mesa de Cristo… a qual nos alimentamos, compreendemos aquilo que devemos amar, desejar e em que ter os olhos fixos" (Alcuino). Não existe verdadeiro discipulado de Jesus sem um verdadeiro e autêntico contato com a Palavra de Deus.

Na sinagoga de Nazaré, Jesus proclama o profeta Isaias: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com uma unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor". Jesus é o grande Evangelizador, O Pai o Ungiu com o Espírito Santo e o enviou para Evangelizar, para proclamar a Boa Nova. Todos os membros da Igreja participam, a seu modo, na missão evangelizadora de Cristo. Daqui nasce a co-responsabilidade de cada batizado em assumir a ação Evangelizadora, o anúncio e o testemunho de Jesus Cristo.

*Dom Paulo Cezar Costa é Arcebispo Metropolitano de Brasília.
Google Plus

Por Rainne Del Sarto

Entender Condomínio

0 comentários:

Postar um comentário